Ajustes tecnológicos e de direção

Minha intenção ao criar este blog era utilizá-lo como uma motivação para estudar inglês. Pretendia fazer manualmente minhas próprias traduções e posso até dizer que estava funcionando nos primeiros posts.

Porém, na medida que fui fazendo meus ajustes no Worpress, fui me deparando com algumas dificuldades e preferi redefinir essas diretrizes. Vou me render mesmo ao uso de um plugin do Google Translate. O antigo plugin que eu usava, chamado qTranslate-X me permitia escrever dois textos dentro do mesmo post e ficava bem legal, mas ao espalhar o post pelas redes sociais, o texto se tornava uma bagunça, com as duas versões juntas e tags da linguagem poluindo tudo.

Sendo assim, agora que me animei por conseguir fazer o WordPress funcionar direitinho, conectado em todas as minhas mídias e principalmente no Medium (que está crescendo rapidamente como provedor de conteúdo similar ao WordPress), pretendo escrever mais, até por não ter o “peso” de ter que me preocupar com a tradução.

Quem sabe agora eu consiga mais leitores e me engaje a escrever cada vez mais.

Abraços

Separação de papéis em projetos

Um dos fatores mais importantes, porém, muito relegado em projetos, é a separação dos papéis. É óbvio que projetos menores ou que envolvam menos pessoas acabam por resultar em grandes acúmulos de funções, contudo, o gestor do projeto ou qual seja o nome que seja dado ao seu responsável, precisa estar atento a separação de papéis, no que tange principalmente os interesses e seus possíveis conflitos.

Alguns papéis, se forem delegados ao mesmo indivíduo, podem acarretar em alguns desses conflitos de interesses, desde os mais simples e aparentemente inofensivos, até alguns mais graves ou mesmo arriscados.
Para causar impacto já no início do texto e provar meu ponto, vou começar com um exemplo conhecido de todos e que causou grande comoção mundial. O acidente de avião que vitimou quase toda a delegação da Associação Chapecoense de Futebol.

Você pode alegar que não se trata de um projeto, mas lembre-se, a diferença entre um projeto e um simples amontoado de tarefas que se intercalam, é o planejamento, ou seja, quase tudo é um projeto. Uma viagem tem um itinerário, uma data e hora definidas, várias pessoas envolvidas, então é sim um projeto.

Pois bem, esse exemplo do acidente é muito emblemático, pois houve um acúmulo de funções muito incomum e extremamente infeliz. O piloto da aeronave era também o dono da companhia!

O conflito de interesses nesse caso é óbvio e foi muito grave. Ele muito provavelmente não quis reabastecer o avião para economizar e isso causou a queda do avião. Uma economia dessas não só não ocorreria se ele não fosse o dono, como, com certeza, ele seria contrário a esta ideia…

Porém, o caso mais comum, talvez seja o conflito de interesses entre desenvolvedor ou analista e o testador. Nunca será seguro que o responsável pelos testes esteja ligado à qualquer outra responsabilidade no projeto, pois o mesmo pode se ver compelido a fazer certas concessões em nome do prazo. Quando o desenvolvedor for necessário como testador (não estou me referindo ao simples teste que o mesmo executa, mas os chamados testes formais), é boa prática que ao menos ele não seja responsável pelos mesmos itens que desenvolveu.

Outro caso bem comum e que eu mesmo já pude vivenciar é o caso onde o seu gerente é o idealizador ou dono do produto. A relação de hierarquia minimiza e muito, o real feedback, já que mesmo uma crítica produtiva pode soar mal aos ouvidos do seu superior, tornando a relação viciada e diminuindo o papel do analista.

Sendo assim, minha dica, baseada em minha experiência é: esteja atento a esses possíveis conflitos de interesse e procure separar os papéis conforme o necessário, seja o projeto qual for, caso o seu foco esteja realmente no sucesso do mesmo.

Até mais

Dicas de ferramentas de estudo

Gostaria de apresentar a quem não conhece, duas ferramentas bem interessantes que venho utilizando nos meus estudos de inglês.

A primeira delas é exclusiva para esse fim e serve para a prática da escrita. Seu texto é avaliado por uma inteligência artificial que analisa, corrige e dá dicas para melhorar sua redação. É o “Cambridge English Write&Improve”. Ele é gratuito para alunos e muito simples de usar.

A segunda ferramenta é ainda mais simples e abrangente. Trata-se do “Anki”. Ele é um software de código livre que organiza estudos e metas em formas de “cartões”. Semelhantes àqueles cartões físicos que usávamos com uma charada na frente com a resposta atrás lembram? Pois bem, a ideia dele é ser uma versão virtual dessa brincadeira, controlando inclusive quantos deles você quer estudar por dia e registrando resultados.

Você pode criar os seus próprios cartões ou, melhor ainda, pode baixar gratuitamente cartões (coleções deles na verdade) já prontos e compartilhados por outros estudantes. Há cartões de diversas matérias e alguns bem interessantes para o estudo do inglês, até mesmo contendo o áudio.

Ambos acabam sendo uma excelente fonte de exercícios, que são a grande lacuna ao se estudar por conta própria e não dispor de materiais didáticos de escolas.

Não deixem de conferir e espero que gostem tanto quanto eu. Lembrando que estou à procura de parceiros para treinar conversação em Inglês pelo Skype, então, se tiver interesse é só me contactar.

Abraço à todos