Podcast – A Netflix grátis de Rádios

Eu odeio fazer exercícios. Você também? Eu sei que o título do post não parece ter nenhuma relação com isso, mas aguarde. Você se identificou comigo neste ponto? Então vem comigo…

Particularmente, a minha maior dificuldade mental em fazer meus necessários exercícios é uma sensação de “tempo perdido” que domina o meu ser. 🙂

Eu sei. Pode parecer engraçado para muitas pessoas. Mas como eu me sinto simplesmente um rato de laboratório quando estou sobre uma esteira ou mesmo caminhando ao ar livre, precisei procurar uma solução para o meu problema, e ela é: faça algo que julgue mais proveitoso ao mesmo tempo.

Nossa, descobri a roda…não é isso…muitas pessoas leem livros na bicicleta ergométrica ou escutam músicas mas, além de odiar bicicletas ergométricas, eu estou realmente cansado de ouvir sempre as mesmas músicas do The Killers, Weezer, Metallica, Nando Reis e por aí vai. E não, eu não ouço músicas novas ou me inscrevo no Spotify. Eu simplesmente não sou assim 🙂 (ou talvez eu seja apenas um quase velho).

Eu ouço Podcasts (quando não áudio livros, mas isso é outra história…).

Eu separei abaixo, meus episódios prediletos, dos meus podcasts favoritos. Sou ouvinte já há bastante tempo deles (pelo menos do Jovem Nerd e do Anticast) e há episódios que são simplesmente fenomenais demais para não serem compartilhados.

O primeiro deles, é da equipe do SciCast e é simplesmente obrigatório para todo nerd que se preze e seja fã de vida alienígena (ou a saga da procura por ela).

Você pode ouvi-lo, diretamente pela barra que coloquei acima (o que é chamado “embedar” em um neologismo oriundo da palavra em inglês embed e significa embarcar um conteúdo em sua página), assim como pode procurar pelos episódios e podcasts em algum aplicativo para celulares. Eu uso e recomendo o Podcast Addict embora existam várias opções.

Com ele você pode controlar o que quer baixar, quais episódios já assistiu ou não,  retomar de onde parou, montar playlists, escutar em velocidade aumentada para dar tempo de consumir mais, entre outras funcionalidades interessantes e ele é baseado primariamente, na tecnologia RSS, que eu já expliquei aqui no blog.

Aproveito a apresentação deste, para lembrar meu livro preferido. Que não foi citado diretamente no episódio acima, embora o autor o seja. Lembrando que o episódio não é sobre ficção.

Se eu contar porque fiz isso, estarei dando um spoiler do episódio e/ou do livro…

Mas a lista de episódios recomendados não acabou.

Esse logo abaixo é sobre o Nazismo (em todos os conteúdos, quando os apresentadores não são especialistas e normalmente o são, eles convidam pessoas do ramo ao programa). E é para quem adora história.

Já o pessoal do Jovem Nerd faz o melhor e mais descolado podcast do Brasil, seja em minha opinião ou em seus números que, embora não os tenha de antemão, são sempre reverenciados pelos podcasts de outras pessoas (vide o episódio 294 abaixo e por último). Eles possuem um “ar de superprodução” e são editados profissionalmente por uma empresa, ganhando vinhetas divertidíssimas e deixando tudo mais prazeroso de ouvir. Mas sem perder o conteúdo produtivo (em certos programas classificados como tal).

Eu escolhi colocar outro em especial, que é sequencial ao de cima. Para destacar as “seções” que eles incluem no programa, como introdução, leitura de e-mails sobre o episódio anterior, propagandas, etc. E também para destacar um conteúdo em especial.

Ao 13:30 do episódio acima é lido um e-mail muito relevante e interessante, complementando (no caso corrigindo), uma informação passada pelo convidado no episódio anterior (Nossa Língua Portuguesa) aos 40:25 daquele episódio! Você pode posicionar o mouse em cima da barra se estiver em um PC para facilitar a escolha de um tempo exato.

Por isso mesmo, recomendo fortemente que você assista todos esses episódios por inteiro, sem pular nenhum pedaço (embora essa seja mais uma das vantagens do formato). Eles formam programas muito coesos. Não só complementam o episódio anterior formando uma narrativa sequencial, como dentro do mesmo episódio, muitas piadas e histórias são remontadas mais a frente…

Para terminar, vou deixar um podcast sobre podcasts! Trata-se de uma análise do “mercado” de podcasts no Brasil, inclusive com comparações ao contexto americano, realizado pelo Anticast:

Ufa…acho que dissertei sobre tudo que queria. 🙂

Vou deixar também um link para o meu arquivo OPML, que contém todos os podcasts que sigo, assim você pode importá-lo no seu aplicativo se quiser.

OPML: baixar

Abraço a todos

PS.: Nossa, já estava me esquecendo da referência à Netflix no título do post. Ela nos apresentou um modelo tão disruptivo de distribuição de conteúdo anos atrás, que virou quase um sinônimo de streaming. É comum ver expressões como “Netflix de Livros”, ou coisa parecida…e foi nisso que pensei. Podcast seria algo como um “streaming de rádios”.

 

OBD – Minha primeira experiência

Bom, se há um assunto que eu não domino e sequer havia pensado que um dia trataria dele aqui no blog, seriam carros. Porém, vou falar mais especificamente de uma tecnologia que conheci há pouco e por isso mesmo, sei menos ainda sobre o assunto, mas que me chamou muito a atenção.

É óbvio que, para quem é do ramo, as informações que passarei aqui serão irrisórias, mas como sempre, minha intenção é comentar minhas experiências, minhas descobertas, escrever sobre qualquer coisa que me interesse ou que possa existir alguém que não saiba!

Há também o problema de que esse conhecimento talvez chegue atrasado para a maioria pessoas, já que os novos e futuros carros inteligentes disporão de outros meios muito mais interessantes para dar informações à seus donos ou ocupantes.

Eu estou falando do OBD:

OBD (do inglês On-Board Diagnostic) designa um sistema de autodiagnóstico disponível na maioria dos veículos automóveis que circulam atualmente. A conexão ao sistema consiste em um conector padronizado que foi sancionado como obrigatório na Europa e nos Estados Unidos para todos os veículos produzidos desde 1996, e no Brasil a partir de 2010 com o padrão de segunda geração OBD2 (ou ODBII). A medida tem a finalidade de popularizar o serviço de reparo eletrônico, reduzindo drasticamente o custo das oficinas, possibilitando o consumidor pagar mais barato por esse gênero de serviço. Além disso, a padronização e abertura dos protocolos de comunicação trouxeram ao mercado equipamentos extremamente baratos possibilitando a compra dos mesmos pelos próprios consumidores para “diagnóstico em casa”. Atualmente existem no mercado equipamentos de diagnóstico na ordem de $20 dólares com interface USB e tecnologia Bluetooth para sincronização com um computador ou aparelho celular.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/OBD

Pois bem…você já deve ter visto inclusive o seu mecânico usando essa interface no seu carro, mas provavelmente através de um leitor exclusivo e maior, algo semelhante a um leitor de cartão de crédito e com fio.

O que eu comprei é igualzinho à este da foto do post. Ele se encaixa nessa interface e lê dados da ECU do veículo e você consegue se conectar a ele com seu celular, através do bluetooth.

No pacote veio alguns aplicativos para Android prontos para instalação e foi muito legal para mim, brincar com as informações disponíveis. No meu caso, eu já sabia que meu carro tem um problema no catalisador (meu mecânico leu e me deu a mesma informação há pouco tempo atrás) e pude então, constatar que eu estava recebendo a informação correta. (Nota: cuidado com o pacote que comprar, no CD de instalação que recebi vieram softwares “piratas” com keygens que podem contaminar o seu computador. Como não utilizei os softwares para Windows e nos de Android não precisei “gerar” nada, acredito estar seguro, mas não posso afirmar…).

Segue algumas telas:

Caso minha atenção não se volte para alguma outra bugiganga tecnológica num futuro próximo 🙂 , pretendo explorar mais e voltar aqui e escrever novos posts.

Enquanto isso, fica apenas esse pequeno post mostrando minha rápida experiência com o OBD.

Abraço a todos.

Coisas que todo mundo sabe, ou não… Kindle

Como já comentei aqui no blog (ou não, acho que ainda preciso falar disso, pelo menos com mais detalhes), sou um colecionador quase compulsivo. Tá bom, se é quase ou não, não sou psicólogo ou psiquiatra pra saber, mas prefiro continuar nessa ignorância, pelo menos por enquanto.

Pois bem, apesar de amar meus livros físicos e o quão belos eles ficam na minha estante. Eu comprei um Kindle. E estou simplesmente apaixonado pelo que ele me proporciona (coitada da minha estante padrão apartamento, está abarrotada…).

Pensei em um review, mas sabe como é, devem haver uns belos milhões por aí, então, minha inspiração para este post foi uma funcionalidade que conheci há pouco, ao fazer minha primeira leitura de um livro em língua inglesa usando o Kindle (venho estudando inglês, inclusive já dei dicas aqui no blog) e eis que me deparo com algo que achei extremamente útil: ele fornece explicações acerca de algumas palavras!!! Você pode conferir na imagem abaixo:

Estão vendo essas pequenas letras em cima de algumas palavras? Pois bem, são as explicações. Embora elas ainda sejam em inglês, são de grande ajuda para quem está procurando evoluir no idioma, assim como este que lhes escreve aqui.

Você pode também, segurar o dedo sobre uma palavra e receber o significado dela direto de um dicionário instalado automaticamente no seu aparelho:

É lógico que há várias outras funcionalidades e principalmente vantagens, que talvez eu fale sobre, ou talvez não, mas essa me chamou a atenção e é inclusive ajustável quanto ao nível de “explicações que dá” ou quantidade de vezes que aparece.

Há também a possibilidade compartilhar trechos dos livros no Facebook, fazendo comentários sobre eles, e o leitor pode, inclusive, acessar uma fração do livro! para verificar o que você citou.

Veja como ele se apresenta ao ser clicado:

(repare no botão comprar ali no canto superior direito, mas faz parte)

Em resumo: estou maravilhado, completamente feliz com minha aquisição e, apesar de muitas vezes os livros digitais serem mais caros que os físicos (se der, qualquer dia explico pra quem quiser saber por que), há promoções que me permitiram comprar livros por módicos 10 reais, enquanto suas versões físicas beiravam os 60.

Os livros não ficam amarelados, não são perdidos e formam até uma estante virtual “bonita” no aparelho, para satisfazer os ávidos colecionadores…(ou seriam viciados, deixa pra lá…).

Um abraço e até a próxima.