Meu pitaco sobre o momento atual

Bom, pelo que ando vendo nas redes sociais e nos jornais, acho que posso colocar no currículo que não votei na Dilma, não bati panela em manifestação e sequer corri ao posto encher o tanque hoje, pois quem foi é porque não tem amor ao próximo. Sou praticamente postulante a gênio e exemplo de brasileiro!

Quem quer dar um pitaco rápido corre o risco de ser injusto, quem o faz na forma de uma postagem mais longa comete o novo pecado capital do “textão” e assim vamos todos tentando encontrar o formato cool do momento para nos expressarmos.

A impressão que tenho é que simplesmente todo mundo virou o tiozão do “eu avisei” e quando não está morrendo de medo de ter escolhido o lado errado, quer parecer intelectual porque acha que é o único que está enxergando a situação como ela realmente é.

Eu não vejo a hora é de poder reler esse meu post no futuro e me gabar do quanto eu era antenado e enxergava a situação como ninguém…

Só pode se gabar disso, na humilde opinião de mais um burro que passa por todas essas mesmas coisas e sensações, aquele que percebe que somos todos enganados o tempo todo e não há um só brasileiro que esteja no grupo, ou melhor, nos grupos de “respostas certas em todos os assuntos”.

A moda agora é culpar quem se manifestou, por uma crise que foi criada por corruptos. Simplesmente ignorando que isso tudo é um reflexo tardio, senão do último governo, de todos os governos democráticos que tivemos nos últimos anos. Por outro lado, os que apontam o dedo não se sentem nem um pouco culpados mesmo tendo co-participado de todas as decisões que tomamos desde que nascemos e vivemos nesse país que só diz ter futuro, mas que ele nunca chega.

Outra frase de efeito que vem bem a calhar é culpar o povo que vota errado. Mais uma falácia que tenta transferir ao povo uma culpa que não é dele, pelo menos não gerada desta forma. Se algo lhes confere culpa, seria apenas a apatia em aceitar a realidade que lhes é imposta. Grande parte dos políticos sequer são eleitos por voto popular e entram lá por coeficientes eleitorais, mas mesmo quando são votados, fazem parte de pleitos onde não são oferecidas verdadeiras opções.

Não se iludam, trata-se mais uma vez do bom e velho “dividir para conquistar” que hoje em dia é mais conhecido pela difusão em filmes da Marvel. Que sirvam pelo menos pra isso, mas duvido que a maioria se dê ao trabalho de refletir (não é culpa deles também em todo caso).

E não me venham com essa que os caminhoneiros estão fazendo isso pelo Brasil hein? Lá vamos nós daqui alguns meses botar a culpa neles pelos novos velhos problemas que fatalmente teremos. Eles estão fazendo isso por eles, mas não estão errados por isso, só se cansaram de esperar uma mobilização completa para buscar o que acham que lhes é devido.

A nossa próxima grande crise é a de adjetivos, pois todos os que temos para definir a bagunça em que vivemos estão se tornando obsoletos e cansativos, só não vamos querer criar novos por decreto, por que já vimos que por essa via quase nada funciona por aqui.

Até a próxima.